+55 11 2935-0469 / 4564-2802 / 3645-0428 / 97687-2635 Whatsapp comercial@brokercomex.com.br

A exportação de produtos está no planejamento da sua empresa para este ano? Então, esse artigo é para você.

Já abordamos aqui algumas orientações necessárias para quem quer entrar no mercado do Comércio Exterior e há também muitas informações referentes ao impacto do coronavírus nas negociações internacionais. Embora estejamos passando por um novo pico da doença, a expectativa é de que em 2022 a economia volte a girar e os negócios sejam fortalecidos.

Com o avanço da vacinação, a tendência é de que os casos sejam mais leves, evitando grandes afastamentos como foram registrados nos portos de todo o mundo, nos últimos dois anos. Essa situação mexeu com a cadeia de exportação, atrasando entregas e negociações.

Porém, com muito otimismo e desejando ótimos resultados a todos, vamos orientá-lo para começar a exportar com segurança, eficiência e otimização de recursos.

O primeiro passo

Se você deseja o crescimento sustentável da sua empresa, precisa voltar os olhos para a exportação. Essa estratégia d fortalece a estrutura do negócio, porque obriga a empresa a qualificar muito mais os colaboradores, pensar em inovações, investir em tecnologia etc. Esse movimento gera e mantém empregos, evolui o mercado como um todo e garante muito mais visibilidade ao Brasil.

Neste sentido, a modernização está em um primeiro patamar. A empresa que deseja exportar deve investir em todos os setores para atender às exigências do mercado e ter competitividade no segmento de atuação.

Já tenho CNPJ, posso começar a exportar?

Para estar apto a se lançar no comércio exterior, primeiramente, a empresa precisa estar habilitada no portal Siscomex. Ao enviar todos os documentos necessários ao governo brasileiro, a empresa passa por uma avaliação e depois disso tem acesso ao sistema que permite o início das atividades de exportação. De posse desses dados, a Receita Federal poderá acompanhar o desenvolvimento da empresa e suas ações fora do País.

Por onde começar?

Para evitar dores de cabeça e eventuais problemas no futuro, a documentação da empresa deve estar completa, seguindo os trâmites aduaneiros. As informações são referentes às obrigações fiscais, registros em órgãos de fiscalização, entre outros.

Confira a lista dos principais documentos:

1 – Nota fiscal

2 – Carta de crédito (exigida em algumas operações)

3 – DUE

4 – LPCO (para alguns produtos)

5- Fatura Comercial (Commercial Invoice) e Fatura proforma

6 – Conhecimento de embarque ou Certificado de Embarque

7 – Romaneio de carga (Packing List)

8 – Certificado de origem (Certificate of Origin)

09 – Certificado fitossanitário (exigido para embalagens de madeira)

10 – Contrato de câmbio

Dependendo do produto a ser exportado, essa lista aumenta com a solicitação de documentos específicos.

Tenha um ótimo planejamento de ações e estratégias

Outro ponto muito importante para quem quer exportar é traçar estratégias sólidas e aplicáveis para o processo de exportação. Nesta etapa, o conhecimento sobre legislação aduaneira, assim como seus termos, incentivos fiscais e sistemas logísticos são de extrema importância. Tudo isso contribui para a competividade da empresa e impacta nos lucros, uma vez que as ações serão direcionadas corretamente.

Inclua ações voltadas aos custos referentes ao processo de exportação, seguros de carga, melhores rotas e modal de transporte, tudo para que a operação ocorra com segurança. Contar com o apoio de um agente de carga também é interessante neste processo, pois ele será capaz de fornecer informações sobre o custo-benefício da operação e orientá-lo para obter sucesso em todo o processo.

Faça o cadastro da mercadoria no Siscomex

Além das obrigações fiscais referentes aos Fisco, é necessário que a empresa esteja habilitada no Radar Siscomex e que a mercadoria também esteja listada no Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex).

Conheça as normas do comércio internacional

Para trabalhar com o comércio exterior é preciso ter o conhecimento necessário sobre as normas que padronizam e regulam as negociações. Os chamados Incoterms (International Commercial Terms) oferecem diversas propostas referentes aos custos, obrigações e riscos entre compradores e vendedores.

Veja aqui a tabela com a versão 2020 dos termos. 

Explore os incentivos fiscais

O Comércio Exterior oferece alguns benefícios que devem ser aprovados para reduzir custos e aumentar a competitividade da empresa. O principal deles é o drawback, que beneficia exportadores que precisam de insumos de outros países.

O drawback desonera tributos, como o IPI e ICMS, tornando as negociações mais atrativas e reduzindo os custos de exportação.

Acompanhe a carga após o embarque

Depois de seguir todas as etapas citadas anteriormente, inclua no seu processo de exportação o acompanhamento da carga. Essa é uma forma de assegurar que ela chegará ao destino correto no prazo estipulado.

Caso isso não ocorra, é o momento de acionar o seguro internacional de cargas, informar ao cliente a situação da mercadoria e as providências que estão sendo tomadas para a liberação alfandegária.

Como ter sucesso nas exportações?

Além das informações citadas neste artigo, o conhecimento sobre os detalhes da área (que envolvem desde as taxas a serem pagas até os benefícios para quem exporta) é essencial. Busque sempre o apoio de empresas especializadas e que possuem know-how para contribuir com o seu negócio.

A Broker Comex é especialista em assessoria aduaneira e tem como objetivo melhor as atividades de Importação e Exportação das empresas, atuando de forma preventiva para reduzir os riscos de autuações e penalizações perante os órgãos anuentes do Comércio Exterior. Conheça o nosso trabalho aqui.

Esse artigo foi útil para você? Compartilhe com outras pessoas!